VOZES DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS SOBRE A DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÉNERO, SUA RELAÇÃO COM A COEDUCAÇÃO E COM A INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (VEUDSG)


VOZES DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS SOBRE A DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÉNERO, SUA RELAÇÃO COM A COEDUCAÇÃO E COM A INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (VEUDSG)

VOZES DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS SOBRE A DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÉNERO, SUA RELAÇÃO COM A COEDUCAÇÃO E COM A INOVAÇÃO PEDAGÓGICA: 

UM ESTUDO COMPARATIVO NA UNIVERSIDADE DA MADEIRA (PT) E NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (BR)


Projeto de Pós-doutoramento em Educação e Diversidade registado na Universidade Federal de Sergipe (Brasil) 

 

EQUIPA:


Prof. Paulo Brazão - Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira (Pós - Doutorando)

(jbrazao@staff.uma.pt)

Prof. Alfrancio Ferreira Dias – Universidade Federal de Sergipe – UFS (Orientador)

(diasalfrancio@gmail.com)

Profª. Lívia de Rezende Cardoso – Universidade Federal de Sergipe – UFS (livinha.bio@gmail.com)

Dr. Anselmo de Lima Oliveira – Universidade Federal de Sergipe – UFS (estudante de doutorado - anselmo281868@gmail.com)

Prof. Pedro Paulo Souza Rios – Universidade do Estado da Bahia – UNEB (peudesouza@yahoo.com.br)

Prof. Ivanderson Pereira da Silva – Universidade Federal de Alagoas – UFAL (ivanderson@gmail.com)

Drª Andreia Micaela Nascimento  (doutoranda do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Diretora do Departamento de Comunicação da Associação Académica da Universidade da Madeira) andreiamsnascimento@gmail.com



PARCERIAS INSTITUCIONAIS:

Universidade da Madeira -UMa (PT) e Universidade do Estado da Bahia/UNEB

Universidade da Madeira -UMa (PT) e Universidade Federal de Sergipe (UFS)


Período: 2020 - 2021

(12 MESES)

RESUMO:


Os conceitos de género e sexo têm vindo a ser considerados na literatura recente como elementos de poder, na circunstância de artifícios flutuantes da contemporaneidade.  

Entendendo que currículo é cultura, a visão de um currículo Queer na Escola, com um olhar “desconstruído” e não normativo torna-se  atual como ato político para as questões da diversidade sexual e de género.

Através do apuramento das vozes dos estudantes sobre a diversidade sexual e de género pretendemos nesta pesquisa fazer um estudo comparativo sobre o empoderamento dos estudantes das universidades da Madeira e da Universidade Federal de Sergipe sobre esta temática. Enfatizamos a coeducação na construção de ambientes inclusivos e o seu contributo no campo da inovação pedagógica. 

A discussão destes temas no espaço da academia revela-se fundamental para a renovação conceptual bem como dos contextos organizacionais da prática da pedagogia e num âmbito mais alargado contribuem para mudanças marcantes das agendas sociais. 


Palavras-chave: educação e diversidade, empoderamento, currículo queer, coeducação, inovação pedagógica




APRESENTAÇÃO


O debate de questões de género e da diversidade sexual tem sido muito atual nos movimentos sociais e tem levado os estados a intensificarem medidas legislativas nesta área, consonantes ainda com os valores democráticos que defendem.

No campo da Educação, entendo que currículo é cultura, a visão de um currículo Queer na Escola com um olhar “desconstruído” e não normativo torna-se  necessário para o empoderamento dos estudantes e demais agentes. Constitui também um ato político para as questões da diversidade sexual e de género.

Para potencializar uma pedagogia Queer é necessário que os ambientes escolares sejam verdadeiramente promotores de coeducação nas questões da diversidade sexual e de género. Isso torna-se possível problematizando e refletindo as vivências escolares quotidianas de forma a coconstruir normas de convivência inclusiva.

Temos a convicção que estes temas discutidos no espaço da academia revelam-se fundamentais para a renovação conceptual e prática da pedagogia nos seus contextos organizacionais e num âmbito mais alargado contribuem para mudanças sociais marcantes.

A descontinuidade cultural face à matriz comum da Escola é ainda um tema central na visão disruptiva para a Inovação Pedagógica (Brazão, 2008).

Neste contexto, Inovação Pedagógica pode ser entendida como a ação em educação para o empoderamento social focalizado na transformação da cultura da escola. Para tal, o ato pedagógico deve ser dialógico. O conhecimento coconstruído atribui a cada indivíduo o papel agente escolar ativo (Dias, 2017).  É necessário por isso que desde muito cedo que as instituições educativas desenvolvam práticas pedagógicas críticas, desconstrutoras do padrão heteronormativo.

Debater questões de género e da sexualidade constitui para Judith Butler (2020) uma das funções da academia porque corrobora com os objetivos da sociedade democrática. A academia pode mudar a sociedade criando esse espaço de produção de pensamento equacionando ainda os princípios democráticos como a igualdade, liberdade e a justiça. Definir, debater opiniões e a torná-las públicas representa também o objetivo da investigação livre e aberta.

Os estudos comparativos ajudam na compreensão das sociedades, do que culturalmente representam, como evoluem e como se projetam. Nesse sentido será importante compreender numa perspetiva comparada a problemática da diversidade sexual e de género em Portugal e no Brasil.


 A CONSTRUÇÃO DO PROBLEMA

A transitabilidade acelerada dos ideais da modernidade a que a sociedade pós-moderna está mergulhada dá-nos a leitura dos conceitos de género e sexo enquanto elementos de poder, na circunstância de artifícios flutuantes da contemporaneidade.  Por esse motivo assistimos cada vez mais a cenários sociais de permanente negociação desses conceitos por parte dos indivíduos. Embora coexistam diferentes conceptualizações sobre género como a visão essencialista a visão determinista ou a visão naturalizante, optaremos nesta pesquisa pela linha teórica dada pela visão performativa de Judith Butler (2017). Segundo esta autora,  as relações entre o género e o sexo não se constituem de uma única forma mas antes num leque multivariado de atos de escolha na transitabilidade dos contextos sociais em que os indivíduos se encontram. Nessa ação Butler (2017), apresenta-nos o conceito de performatividade como o elemento que conduz os indivíduos na experienciação de género e sexo. Duas consequências podemos tirar daqui :  em primeiro a impossibilidade de uma única visão que nos explique a “identidade de género”. Em segundo, a importância da valorização dos atos de escolha enquanto construções permanentes de identidades múltiplas e variadas. Acresce ainda lembrar o direito de cada um em ser respeitado na sua performatividade sexual e de género. Sabemos também que este campo está repleto de representações sobre sexualidade e género advindas de outras lógicas nomeadamente da lógica dual Homem / Mulher, originando cenários sociais de tensão permanente. Importa por isso determinar quais as políticas educativas inclusivas que existem no Brasil e em Portugal, sobre o respeito pela vivência e expressão natural da sexualidade e do género.

Queremos nesta pesquisa nos centrar no campo da Educação para enfatizar a coeducação na construção de ambientes inclusivos para a diversidade sexual e de género, nas instituições de ensino superior. 

A construção do problema da nossa pesquisa apresenta três grandes perguntas:

  • Que dizem os estudantes universitários sobre diversidade sexual e de género?
  • Que papel desempenham esses estudantes na coconstrução de contextos sociais inclusivos sobre diversidade sexual e de género? 
  • Que contributo terá esse trabalho nos campos da inovação pedagógica e da política educativa?




OBJETIVOS


Para este estudo definimos os seguintes objetivos:


  • Conhecer as enunciações dos estudantes universitários da Universidade Federal de Sergipe e da Universidade da Madeira, sobre a diversidade sexual e de género.
  • Comparar as enunciações dos estudantes universitários dos dois contextos estudados (Universidade Federal de Sergipe e Universidade da Madeira), sobre a diversidade sexual e de género.
  • Explicitar ao nível regulamentar, orgânico e pedagógico as medidas promotoras de culturas inclusivas sobre a diversidade sexual e de género na Universidade Federal de Sergipe e na Universidade da Madeira.



A  METODOLOGIA DA PESQUISA

Esta pesquisa é qualitativa de natureza exploratória. Definimos como um estudo de caso (Yin, 2005), comparativo e utilizaremos a entrevista e a observação participante nos dois contextos universitários: Universidade Federal de Sergipe e Universidade da Madeira.



IMPORTÂNCIA DOS RESULTADOS DA PESQUISA

Não antevendo considerações, reforçamos quatro aspetos sobre a importância dos resultados desta pesquisa:

  • A comparação das enunciações dos estudantes universitários dos dois contextos estudados (Universidade Federal de Sergipe e Universidade da Madeira), permitirá um conhecimento intrínseco das culturas dos estudantes acerca da diversidade sexual e de género e sua relação mais ampla com a sociedade em que se movem.
  • O apuramento ao nível regulamentar, orgânico e pedagógico das medidas promotoras de culturas inclusivas sobre a diversidade sexual e de género na Universidade Federal de Sergipe e na Universidade da Madeira permitirá em cada contexto uma reflexão alargada, também precursora de novas perspetivas a desencadear.
  • A identificação dos fatores contributivos da Coeducação, concorrentes de um novo paradigma educacional para as práticas pedagógicas inclusivas acerca da diversidade sexual e de género constituirá uma ampliação da discussão teórica no campo da inovação pedagógica.
  • A discussão comparada das políticas educativas inclusivas sobre o respeito pela vivência e expressão natural da sexualidade e do género, permitirá uma compreensão ampla das duas sociedades - Brasil e Portugal, historicamente próximas.



BIBLIOGRAFIA

Alvarez, T. (2019). Reflexões sobre a igualdade entre mulheres e homens: conhecimento educação e formação. In Ricardo Martins e Andreia Nascimento. 31 desafios para o Ensino Superior. p. 19–24. Funchal: Imprensa Académica da Universidade da Madeira.

Andrade, L. (2015). Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Rio de Janeiro: Metanoia,

Araújo, L.; Barreto, A.; PEREIRA, M. (Orgs.). (2009). Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Livro de conteúdo. Versão 2009. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM.

Araújo D. (2016). Olhares e vozes da escola: Elementos para a formação de políticas públicas para o respeito à diversidade sexual e de gênero. Tese de Doutoramento apresentada na Universidade Federal da Bahia.

Augusto, A.; Oliveira, C. (2019). O desafio da igualdade de género no Ensino Superior. In Ricardo Martins e Andreia Nascimento. 31 desafios para o Ensino Superior. p. 47–53. Funchal: Imprensa Académica da Universidade da Madeira.

Bardin, L. (1997). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70

Beauvoir, S. (1980).O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

Blanca, R. (2011). Arte a partir de uma perspectiva queer arte desde lo queer. Universidade Federal de Santa Catarina.

Borrillo, D. (2009).  A homofobia. In: Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, EdUnB.

Butler, J. (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. Routledge.

Butler, J. (2002). Críticamente subversiva. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida. (Org.). Sexualidades transgresoras: una antología de estudios queer. Barcelona: Icária.

Butler, J. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (2017). Problemas de género. Lisboa: Orfeu Negro Editora.

Brazão, P. & Dias, A. (2020). Relações de género e do corpo na Escola: Diretivas promotoras de culturas inclusivas para as práticas pedagógicas. Revista Cocar V.14. N.29 Maio/Ago./2020 (no prelo)

Carvalho, M. (2012). Diferenças e desigualdades na escola. Campinas/SP: Papirus.

Dantas, M. (2014). “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”: o performativo curricular – na análise de Torpedo, um vídeo do Kit Escola sem Homofobia. Tese de Doutoramento em Educação defendida na Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Deborah Osberg & Gert Biesta (2020) Beyond curriculum: Groundwork for a non-instrumental theory of education, Educational Philosophy and Theory, DOI: 10.1080/00131857.2020.1750362

Dias, A. (2011). Dos estudos culturais ao novo conceito de identidade. Revista Fórum Identidades, GEPIADE, Ano 5, Volume 9, Jan-Jun 2011, pp. 152-166.

Dias, A. (2013). Educando corpos, produzindo diferenças: um debate sobre gênero nas práticas pedagógicas. Revista TOMO, n. 23, jul-dez, 2013, pp. 237-258.

Dias, A. (2013). Identidade e relações de género sobre múltiplos olhares. São Paulo: Baraúna Editora.

Dias, A. (2013). PACHECO, Ana Claúdia Lemos. Gênero Trans e Multidisciplinar (Orgs.). Jundiaí/SP: Paco Editorial.

Dias, A. (2014). Representações sociais de gênero no trabalho docente: sentidos e significados atribuídos ao trabalho e a qualificação. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2014.

Dias, A. (2017). “Que inovação pedagógica a pedagogia queer propõe ao currículo escolar?”. Tempos e Espaços em Educação, V. 10, 23, p. 37-48, set/dez.

Focault, M. (1979). Microfísica do poder. Organização, Introdução, Revisão Técnica de Roberto Machado. 22. ed. Rio de Janeiro: Graal.

Focault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da punição. Petrópolis (RJ): Vozes.

Focault, M. (1988). A história da sexualidade. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Focault, M. (1999). As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes.

Focault, M. (2009). Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes.

França, E. (2011). “Saindo do armário”, portas se abrem/fecham? As sexualidades na escola e na formação docente. Dissertação de Mestrado em Crítica Cultural. Defendida na Faculdade de Educação, Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas.

Gamson, J. (2002). Deben autodestruirse los movimientos identitarios? Um estraño dilema. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida (Org.). Sexualidades Transgresoras: una antología de estudios queer. Barcelona: Icária.

Halbertam, J. (2008). Masculinidad feminina. Barcelona: Egales.

Irigaray, L. (2009). “Is the Subject of Science Sexed?”, Cultural Critique (1), p. 73-88.

diversidade sexual. In: T. Lionço, T& D. Diniz (Orgs.). Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, EdUnB.

Louro, G. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes.

Louro, G. (2000). Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Louro, G. (2004). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. (2010). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 11. ed. Petrópolis (RJ): Vozes.

Louro, G. (2010). Pedagogias de sexualidade. In: LOURO, Guacira Louro (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. (2015). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Le Breton, D. (2003). Adeus ao corpo: Antropologia e sociedade. Campinas (SP): Papirus

Le Breton, D. (2012). La sociologie du corps. Paris: Puf.

Lopes, L. (2010). Sexualidades em sala de aula: discurso, desejo e teoria queer. In: Flávio Moreira; Vera Candau. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 4. ed. Petrópolis (RJ): Vozes.

Souza, M. (2014). Diversidade de gênero e sexual e suas implicações na escola. DIAS, Alfrancio Ferreira. Formação de professores para uma educação não discriminadora. Aracaju: Infograghics, 2014.

Miskolci, R. (2009). A Teoria Queer e a Questão das Diferenças: por uma analítica da normalização. 2009. Disponível em:

http://alb.com.br/arquivomorto/edicoes_anteriores/anais16/prog_pdf/prog03_01.pdf

Miskolci, R. (2009). A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, PPGS-UFRGS, n. 21, 2009.

Miskolci, R. (2012). Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, UFOP- Universidade Federal de Ouro Preto.

ONU (2015). 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2015-2030. https://www.unric.org/pt/  Acedido a 29 Junho de 2019.

Pereira, M. (2012). Fazendo o género no recreio: a negociação do género em espaço escolar. Lisboa: ISC.

Revista Plaza Pública (17 de janeiro de 2020). Entrevista coletiva de Fernanda Martínez, Aned Ladino, Natalia Chávez, César Salgado, Carolina Pezoa, Débora Fernández, Jorge Sepúveda, Gwen Kirpatrick e Rahma Maccarone. http://plazapublica.georgetown.domains/entrevista/134/ 17 de janeiro de 2020

Senkevics, A., Polidoro, J. (2012). “Corpo, gênero e ciência: na interface entre biologia e sociedade”. Revista da Biologia  9 (1): 16-21  DOI: 10.7594/revbio.09.01.04

Scott, J. (1989). “Gênero, uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, 16(2). Porto Alegre, Faced, UFRGS.

Silva, T. (1999). Documento de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte, Autêntica.

Stake, R. (2009). A arte da investigação com estudos de caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vale de Almeida, M (2004). O corpo na teoria antropológica.  Rev. de Comunicação e Linguagem, 33, p.49-66.

Vieira, M.; Nascimento, A. (2018). Os caloiros da Universidade da Madeira: retratos e alguns desafios. Research Brief 2018 OPJ. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Witting, M. (1990). O pensamento hetero. 1980. Disponível em: http://mulheresrebeldes.blogspot.com.br/2010/07/sempre-viva-wittig.html>


LEGISLAÇÃO

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação

Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015.

Brasil. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação a Distância. MEC011.

Produção da TV Escola/MEC. 2002. 1 DVD (139min 57s), son., color.

Brasil. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2008.

Portugal. D.R. 1.ª série N.º 97. Resolução do Conselho de Ministros n.º 61/2018, de 21 de maio Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não Discriminação 2018-2030 “Portugal + Igual”, XXI Governo Constitucional. 8 de março de 2018.

Portugal. “Constituição da República Portuguesa”. https://www.parlamento.pt/Legislacao/Documents/constpt2005.pdf Acedido a 29 Junho de 2019.

UE. “Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia” Jornal Oficial da União Europeia, 18 de dezembro de 2000, C 364/01, http://www.europarl.europa.eu/charter/pdf/text_pt.pdf   Acedido a 29 Junho de 2019.

UE.  “Tratado da União Europeia”, Jornal Oficial da União Europeia, 7 de junho de 2016, https://eur-lex.europa.eu/resource.html?uri=cellar:9e8d52e1-2c70-11e6-b497-01aa75ed71a1.0019.01/DOC_2&format=PDF Acedido a 29 Junho de 2019.



(Acesso exclusivo à equipa)

1 - VIDEOCONFERÊNCIA ZOOM

SALA de Reunião ZOOM

ID da reunião: 578 954 5862

Senha: 


2 - INFOGRAFIA NA PLATAFORMA THEBRAIN

(Acesso exclusivo à equipa)

https://bra.in/7vA6Q3