(RE)PRODUÇÃO CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES Produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) em processos de formação colaborativa


(RE)PRODUÇÃO  CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES Produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) em processos de formação colaborativa


OS PROFESSORES E O FAZER/APRENDER PEDAGÓGICO PELA

(RE)PRODUÇÃO  CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES a produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) em processos de formação colaborativa. 


(2018 - 2020)


CONTEXTUALIZAÇÃO

Esta pesquisa será desenvolvida na Universidade do Estado da Bahia através do Núcleo de Pesquisa em Cultura Visual, Educação e Linguagens – Cult-Vi, em parceria com a Universidade da Madeira – UMa e  tem como Objeto da investigação as aprendizagens pedagógicas dos professores, relacionadas ao processo de (re)produção contextualizada de visualidades, mais especificamente, investiga A FORMAÇÃO DE PROFESSORES desenvolvida na correlação entre duas estratégias formativas, a saber:

A PRODUÇÃO DE ARTEFATOS EDUCACIONAIS SOCIOTECNOLÓGICOS ARTICULADOS À CULTURA E AOS PROCESSOS IDENTITÁRIOS e AS REDES COLABORATIVAS DE FORMAÇÃO-AÇÃO.

A pesquisa tem como Objetivo Geral:  estabelecer relações entre a produção contextualizada de visualidades e o fazer/aprender pedagógico de docentes em processos de formação colaborativa”.

Teoricamente a pesquisa inspira-se nos estudos culturais, sobretudo os da cultura visual  (e, consequentemente, recebe contribuições da teoria social crítica)  de modo a conceber os processos  de transformação técnico-cultural como experiência sociocultural relacionada aos contextos e alternativas culturais dos sujeitos. As transformações tecnológicas são percebidas, portanto, como fenómenos historicamente situados, diferentemente do que se percebe em abordagens meramente técnicas


A Metodologia adotada para o desenvolvimento da pesquisa é de natureza qualitativa, o método da Pesquisa-ação colaborativa ao desenvolver e aplicar colaborativamente e em rede uma Oficina de produção de Recursos educacionais abertos (REA) para professores em situação de formação vinculados aos polos formativos instalados para tal fim e sob a responsabilidade da Universidade do Estado da Bahia –DCH 4 Jacobina (Bahia- Brasil) e da Universidade da Madeira – Funchal - PT).

Trata-se de uma pesquisa colaborativa e multirreferencializada com intervenções formativas, donde se prevê a constituição de grupos de formação com professores,  conectados por meio de plataformas interativas  que possibilitarão o desenvolvimento da ação interativa e formativa.  Para o desenvolvimento da pesquisa  serão implementadas oficinas de produção de recursos educacionais abertos (REA) sobre o contexto cultural local tomando-se a rede (Web) como fator de integração e processo de produção colaborativa.

Neste sentido, o propósito é analisar as aprendizagens dos professores por meio das ações formativas desenvolvidas  numa espécie de fábrica de ideias pedagógicas construtoras de artefactos, cuja matéria básica de produção seja as visualidades e a cultura geral dos seus interactantes vivenciada em suas comunidades de prática.

 As oficinas tecnológicas terão como perspectivas teóricas as visualidades e a matética para compreender os processos de aprendizagem e formação, a partir do seguinte problema, questões e objetivos:

Problema:  

Como os processos colaborativos de (re)produção de visualidades oportunizam aprendizagens pedagógicas contextualizadas?      


Questões da pesquisa: 

Que saberes são requeridos na (re)produção de visualidades contextualizadas?         

De que modo os saberes arregimentados para a produção de visualidades contextualizadas possibilitam  ao  professor (re)significar  as suas práticas?

De que modo o uso da tecnologia possibilita o desenvolvimento das produções colaborativas?

O que resulta das produções colaborativas ?

De que modo elas possibilitam aprendizagens docentes?

 

Objetivos/metas: 

- mapear os saberes arregimentados pelos docentes para (re)produzir visualidades em conexão com o contexto sociocultural da docência;

- verificar os sentidos atribuídos pelos professores à ação pedagógica;

- analisar os processos de significação por parte dos professores nas suas praticas pedagógicas;

- descrever os diferentes usos da tecnologia que servem de suporte às produções colaborativas;

- analisar os produtos das interações colaborativas.


CRONOGRAMA

setembro - dezembro 2018 

– Implantação das unidades de formação do Projeto;

- Desenvolvimento da ação de formação;

- Desenvolvimento da plataforma/rede da oficina.

fevereiro – setembro 2019 

– Implantação das unidades de formação do Projeto (novos grupos);

- Desenvolvimento da ação de formação;

- Desenvolvimento da plataforma/rede da oficina.

setembro - dezembro 2019

- Redação do relatório.

janeiro 2020

– Apresentação da pesquisa; 

- Divulgação pública.



BIBLIOGRAFIA

Etnopesquisa

Macedo, Roberto Sidnei (2000). Etnopesquisa Crítica e Multirreferencial nas Cências Humanas e na Educação. Salvador, Edufba.

Lapassade, G. (1991). L’ethnosociologie : Les sources anglo-saxonnes. Paris: Méridiens Klincksieck.

Lapassade, G. (2001a). L'observation participante. Revista Europeia de Etnografia

 da Educação, 1, 9-26.

Lapassade, G. (2001b). L’observation participante. Revista Europeia de Etnografia da Educação  1, 9-26.

Ambientes virtuais

Aukrust, V. G. (2011) Learning and Cognition in Education. Oxford: Elsevier

Estalella, A. (2006). Anatomia de los blogs. La jerarquia de lo visible. TELOS Abril-Junio 2006 Nº 67 Segunda Época.

Gee, J. P. (2004). Situated Language and Learning - A critique of traditional schooling. New York and London: Routledge

Christensen, C., Horn, M. & Johnson, C. (2011) Disrupting Class - How Disruptive Innovation Will Change the Way the World Learns. New York: McGraw-Hill

Jonassen, D. H. (2008) Handbook of Research on Educational Communications and Technology - Second Edition. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Jonassen, D. H. (2011) Learning to Solve Problems A Handbook for Designing Problem-Solving Learning Environments. New York: Routledge.

McDermott R., Snyder W. M. & Wenger E. (2002). Cultivating Communities of Practice. Boston: Harvard  Business School Press.

Papert S. (1985) Logo: computadores e educação. S. Paulo: Editora Brasiliense

Papert, S. (1993) The children´s machine: Rethinking schools in the age of computer. New York: Basic Books.

Santana, B., Rossini C., Pretto, N. (org) (2012). Recursos Educacionais Abertos. Práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Casa da Cultura Digital.

Cultura Visual

Flussen, V. (2002). Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma filosofia da fotografia. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

Hernandez, F. (2006). De la alfabetizacón visual al alfabetismo de la cultura visual. Universidad de Barcelona. Espanha.

Martin-Barbero, J. (2007) Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro. UFRJ.

Mirzoeff, N. (2003) Una introducción a la cultura visual. Barcelona: Paidós.

Mitchell, W. J. T.(1995) Que és la cultura visual. Princenton: Irving Lavin, Institute for Advanced Study.

Salate, V. (2013) Introdução à Experiência Intelectual de Theodor Adorno, Universidade São Paulo, USP.

Sardelich, M. E. (2006) Leitura de imagens, Cultura Visual e Prática Educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n.128, pp.451-472.

Silva, S.L.P da. (2012) Antes Ver para Crer, Hoje Digitalizar para acreditar: a fotografia e o gozo estético da cultura visual. Domínios da Imagem, Londrina, ano VI, n. 11, pp. 111-120, novembro.

Aprendizagem situada e aprendizagem por participação

Fernandes E. & Santos, M. (2013). In E. Fernandes (Ed.) Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 3 – 54). Funchal: Universidade da Madeira.

Costa, F. A . (Coord). Rodriguez, C.,Cruz, E. & Fradão, S.  (2012) Repensar as TIC na Educação. O Professor como Agente Transformador. Editora Santillana. Lisboa.

Fino, C.N. (2000) Novas tecnologias, cognição e cultura: um estudo no 1º ciclo do ensino Básico. Unpublished Tese de Doutoramento, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Lisboa.

Freire, P. (1981)  Educação e Mudança. 4. ed. Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro.

Martins, S. (2013b). Da escrita de uma história à produção de um filme. In E. Fernandes (Ed.), Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 116 – 144). Funchal: Universidade da Madeira.

Martins, S. & Fernandes, E. (2013). A criação de uma história com robots: Um empreendimento conjunto. Perspectiva.

Matos, J. F. (2013). Cenários de Aprendizagem como Recursos Estruturantes da Ação. In E. Fernandes (Ed.), Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 47 – 55). Funchal: Universidade da Madeira.

Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas / Bianca Santana; Carolina Rossini; Nelson De Lucca Pretto (Organizadores). – 1. ed., 1 imp. – Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital.

Santos, A. (2013b). A competição DROIDE Virtual. In E. Santos, B.S. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência.  2 ed, Editora Cortez. São Paulo.

Viana, J.; Costa, F. A.; Peralta, H. Aprendizagens Pessoais em Contextos Informais: oportunidades criadas pela Internet. Revista Observatório. v. 3, n. 4, pp. 190-231. jul. 2017. ISSN 2447-4266.

Wenger, E. (1998). Communities of practice: learning, meaning and identity. Cambridge, USA: Cambridge University Press.

Wenger, E. (2010). Communities of practice and social learning systems: the career of a concept. In: C. Blackmore (Ed.), Social Learning.

Pedagogia,  currículo e teoria social crítica

Bruner, J. (2001). A cultura da Educação (M. A. G. Domingues, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Giroux, H (2001). Theory and Resistance in Education: Towards a Pedagogy for the Opposition, 2nd Edition (Critical Studies in Education and Culture Series). Greenwood Publishing Group.

Gramsci, A. (1971). Seleção dos Cadernos do Cárcere. Londres: Lawrence e Wishart

Hall, R. (2010). Reimaginar a universidade: Autónomo e cooperativo re-produção. http://www.learnex.dmu.ac.uk/2010/11/29/reimagining-the-university-autonomous-and-co-/ Operativa-re-produção.

Sousa, J. M. (2017). A relação de poder entre o Currículo e a Didática. O caso da Universidade da Madeira. In F. Gouveia & G. Pereira (Orgs.). Didática e Matética (pp. 73-90). Funchal: CIE-UMa. (ISBN: 978-989-95857-8-2).

Sousa, J. M. (2016). Apresentação: Currículo, Ortodoxia e Transgressão. In Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 9, n. 18, p. 11-12, jan./abr. ISSN: 1983-6597 (versão impressa); 2358-1425 (versão online).

Tadeu da Silva, T. (1999). Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica.


OPERACIONALIZAÇÃO


REPRODUÇÃO DE VISUALIDADES - PESQUISA