INOVAÇÃO PEDAGÓGICA: IDENTIDADE, TEORIA E PRÁTICAS (IPITP)


INOVAÇÃO PEDAGÓGICA: IDENTIDADE, TEORIA E PRÁTICAS (IPITP)

 

INOVAÇÃO PEDAGÓGICA: IDENTIDADE, TEORIA E PRÁTICAS (IPITP)

CONTRIBUTO PARA A METANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA ÁREA DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA REALIZADA NO CURSO DE DOUTORAMENTO DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA

PROJETO DE INVESTIGAÇÃO

Duração 12 MESES

ACRÓNIMO:   IPITP

(Versão de 15 de maio de 2020)

EQUIPA:

Prof. Paulo Brazão - Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira (Pós - Doutorando)

(jbrazao@staff.uma.pt)

Prof. Alfrancio Ferreira Dias – Universidade Federal de Sergipe – UFS (Orientador)

(diasalfrancio@gmail.com)

Profª. Lívia de Rezende Cardoso – Universidade Federal de Sergipe – UFS (livinha.bio@gmail.com)

Dr. Anselmo de Lima Oliveira – Universidade Federal de Sergipe – UFS (estudante de doutorado - anselmo281868@gmail.com)

Prof. Pedro Paulo Souza Rios – Universidade do Estado da Bahia – UNEB (peudesouza@yahoo.com.br)

Prof. Ivanderson Pereira da Silva – Universidade Federal de Alagoas – UFAL (ivanderson@gmail.com)

Prof. André Ricardo – Universidade do Estado da Bahia – UNEB (sistlin@uol.com.br)

Prof. Alice Mendonça - Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira

(alice.mendonca@staff.uma.pt)


PARCERIAS INSTITUCIONAIS:

Universidade da Madeira -UMa (PT) e Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Universidade da Madeira -UMa (PT) e Universidade do Estado da Bahia/UNEB


Com a colaboração dos estudantes da

UC. INVESTIGAÇÃO em EDUCAÇÃO II - 2º Ano

do curso de Licenciatura em Educação


Ana Carolina Leal Nóbrega

Patrícia Sofia Silva Barcelos

Ana Catarina Moura Serrao

Marco Andre Correia Gomes

Ana Isabel Gomes Silva

Catarina Isabel Silva Velosa

Ana Sofia Gonçalves Abreu

Érica Joana Figueira Faria

Ana Sofia Martins de Freitas

Joana Olinda Santos Jardim

Ana Patricia Gouveia Salvação

Beatriz Gonçalves Aguiar

Vera Isabel Castro Rocha

Celina Manuela de Sena Aguiar Patrício

Lívia Sisandra da Silva Soares Ferreira

Rosária de Andrade Francisco Silva

Dalila Rodrigues Teixeira

Sara Raquel Rodrigues Silva

Fátima Jacinta Gonçalves da Corte

Neide Maria Santos Gouveia

Joana Catarina Jardim Freitas

Joana Maria Gama Freitas

José Armando Rangel de Abreu

Sara Catarina Carvalho Catanho

Mariana José Silva Fernandes

Maria Matilde Rodrigues Henriques

Nuno Miguel Figueira Lopes

Pedro Miguel Nunes Pimenta


PLATAFORMA THEBRAIN

https://bra.in/2jQgAE

BASE DE DADOS

https://a953970.fmphost.com/fmi/webd/MQE


APRESENTAÇÃO

A existência de uma linha de pesquisa em Inovação Pedagógica no Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira, surgida em 2003 fez com que se desenvolvesse desde então produção científica nesta área, estando disponível à comunidade no acervo digital da Universidade da Madeira (DIGI-UMa)[1].

 

Passados dezassete anos de produção científica urge sistematizar longitudinalmente os aspetos identitários, os elementos epistemológicos da Inovação Pedagógica, e as Boas Práticas, reconhecidas como contextualmente inovadoras, para o campo da pedagogia e da Educação, relatadas nos trabalhos de investigação desta linha de pesquisa.

 


   



[1] DIGIUMa acessível em www.digiuma.pt



OBJETIVOS

1 - Identificar os contributos teóricos, conceptuais e metodológicos na área de  Inovação Pedagógica nas investigações obtidos no curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica, da Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade da Madeira.

2 – Identificar as Boas Práticas reconhecidas contextualmente como inovadoras, para o campo da pedagogia e da Educação, nessas pesquisas.

3- Reconhecer as referências identitárias no campo das ciências da educação, na especialidade de Inovação Pedagógica, a partir da análise das investigações obtidos no curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica.


QUESTÕES


  • Que contributos teóricos, conceptuais e metodológicos são identificados nas investigações do curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica, da Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade da Madeira?
  • Que Boas Práticas são reconhecidas como contextualmente inovadoras, para o campo da pedagogia e da Educação, relatadas nessas investigações?
  • Que evidências identitárias no campo das ciências da educação, na especialidade de Inovação Pedagógica são percetíveis na produção científica do curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica?


EIXOS DE ANÁLISE

Definimos três eixos para a realização da análise às produções registadas no repositório do DIGI-UMa:

A - Elementos epistemológicos da Inovação Pedagógica, na linha de Inovação Pedagógica, do CIE-UMa.

B - Boas Práticas reconhecidas contextualmente como inovadoras, no campo da pedagogia e da Educação, relatadas nas pesquisas sobre Inovação Pedagógica, do CIE-UMa.

C - Elementos de identidade da linha de Inovação Pedagógica, do CIE-UMa.


FONTES

  • Produção científica do curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica, da Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade da Madeira.

OUTRAS

  • Regulamentação oficial do curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica.
  • Relatórios de autoavaliação e de avaliação da Agencia de Avaliação do Ensino Superior - A3ES sobre o curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica.
  • Relatórios de desempenho do Centro de Investigação em Educação (CIE-UMa)


METODOLOGIA

Esta é uma pesquisa descritiva com recurso à metanálise qualitativa da produção científica obtida no curso de doutoramento em Educação, na especialidade de Inovação Pedagógica, da Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade da Madeira, disponível no repositório do DIGI-UMa.

Tomámos por referência metodológica a metanálise qualitativa clássica segundo Castro A. (2012).  Elaborámos uma amostra por conveniência e retirámos 21 trabalhos científicos amplamente divulgados do curso de Doutoramento em Inovação Pedagógica, selecionando apenas os trabalhos disponíveis no repositório do DIGI-UMa.


PLATAFORMA THEBRAIN

https://bra.in/2jQgAE


BASE DE DADOS 

(Tratamento qualitativo da metanálise)

https://a853654.fmphost.com/fmi/webd/MQEv15maio



BIBLIOGRAFIA

ALMADA, C. & SOUSA, J. M. Revoluções, Paradigmas e Inovação Pedagógica: provocações para um debate contemporâneo. In Anais do Encontro Internacional Trabalho e Perspetiva de Formação de Trabalhadores (1713-1724). Fortaleza:  LABOR/UFC - Núcleo de Pesquisa em Educação Profissional - NUPEP/IFCE, Universidade Federal do Ceará. (ISSN: 1713 1724); 2017.

BICUDO, MARIA A. V. Meta-análise: seu significado para a pesquisa qualitativa. REVEMAT. eISSN 1981-1322. Florianópolis-SC, v. 9, Ed. Temática, p. 07-20, 2014.

CASSANY, D.; CASTELLÀ, J. M. Aproximación a La literacidad crítica. Perspectiva. v. 28, n. 2, jul/dez., 2010, p. 353-374. CASTRO, A. A. Revisão sistemática e meta-análise. 2001. Disponível em: http://metodologia.org/wpcontent/uploads/2010/08/meta1.PDF ; acesso em: 23 jun. 2012.

CASTRO, A.A.; SACONATO, H.; GUIDUGLI, F; CLARK, OAC. Curso de revisão sistemática e metanálise [Online]. São Paulo: LED-DIS/UNIFESP; 2002. Disponível em: http://www.virtual.epm.br/cursos/metanalise ; acesso em: 23 jun. 2012.

CARDOSO, T.; ALARCÃO, I.; CELORICO, J. A. Revisão da literatura e sistematização do conhecimento. Porto: Porto Editora, 2010.

CARDOSO, T. M. L. Interação verbal em aulas de línguas: meta-análise da investigação portuguesa entre 1982 a 2002. Tese. Universidade de Aveiro. Portugal. 2007. CASTRO, A. A. Revisão sistemática e meta-análise. 2001. Disponível em: http://metodologia.org/wp-content/uploads/2010/08/meta1.PDF; acesso em 23 de junho de 2012.

CHEN, T.; TURNER, S. 2001 A Qualitative meta-analysis on web-based distance learning in higher education: a grounded theory approach. Disponível em: http://faculty.ksu.edu.sa/manal.m/DocLib2/Qualitative%20Meta%20Analysis%20on%20Web%20Based%20Distance%20Learning%20in%20Higher%20Education.pdf; acesso em 23 de junho de 2012.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (Eds.). Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routldge, 2000. DAMICO, J.; BAILDON, M. Examining ways readers engage with websites during think-aloud sessions. Journal of Adolescent and adult literacy. v. 51, n. 8, nov., 2007, p. 254-263.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006. DICK, B. Grounded Theory: a thumbnail sketch. 2005. Disponível em: http://www.scu.edu.au/schools/gcm/ar/arp/grounded.html; acesso em 20 de fevereiro de 2012.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 15-41.

DIONÍSIO, M. L. LIteracias em context de intervenção pedagógica: um exemplo sustentado nos Novos Estudos de Literacia. Revista do Centro de Educação. UFSM. v. 32, n. 1, 2007, p. 97-107.

FINO, C. N. (2016) Matética e inovação pedagógica: o centro e a periferia, In Fernanda Gouveia & Maria Gorete Pereira (Org.). Didática e Matética (pp. 253-259). Funchal: Universidade da Madeira - CIE-UMa. ISBN 978-989-95857-8-2

FINO, C. N. Dewey, Papert, Construcionismo e Currículo. In Jesus Maria Sousa & Carlos Nogueira Fino (org.) (Contra) Tempos de Educação e Democracia, Evocando John Dewey (pp. 21-30). Funchal: Universidade da Madeira - CIE-UMa, 2017.ISBN: 978-989-20-8028-4.

FINO C. N. A revolução digital e a sua “pedagogia” hegemónica. in Nuno Fraga (Org.). O Professor do Século XXI em Perspetiva Comparada: Transformações e Desafios para a Construção de Sociedades Sustentáveis (pp. 57-69). Funchal: CIE-UMa; 2019. ISBN: versão eletrónica - 978-989-54390-2-7; versão impressa - 978-989-54390-1-0.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2009.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

GARQUE, K. C. G. D. Teoria Fundamentada: nova perspectiva à pesquisa exploratória. In: MUELLER, S. P. M. (org.) Métodos para a pesquisa em Ciências da Informação. Brasília: Thesaurus, 2007, p. 107-142.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. New York: Aldine de Gruyter, 1967.

KINCHELOE, J. Construtivismo Crítico. Mangualde: Edições Pedago; 2006

PAPERT S. A família em rede. Lisboa: Relógio d’Água, 1997

PINTO, Cândida Martins. METANÁLISE QUALITATIVA COMO ABORDAGEM METODOLÓGICA PARA PESQUISAS EM LETRASATOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO - PPGE/ME ISSN 1809-0354 v. 8, n. 3, p.1033-1048, set./dez. 2013 DOI http://dx.doi.org/10.7867/1809-0354.2013v8n3p1033-10481048 GLASS, G. Primary, secondary and meta-analysis of research. The Educational Researcher. 1976, p. 3-8.

GUIZZO, B. S.; KRZIMINSKI, C. O.; OLIVEIRA, D. L. L. C. O software QSR NVIVO 2.0 na análise qualitativa de dados: ferramenta para a pesquisa em ciências humanas e da saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, 2003, p. 53- 60.

HUNT, M. How science takes stock: the story of meta-analysis. USA: Russell Sage Fundation, 1997.

KUHN, T. S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

LOPES, A. L. M.; FRACOLLI, L. A. Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto, Contexto, Enfermagem. Florianópolis, 2008, out-dez, p. 771-778.

LOVATTO, p. a.; et al. Meta-análise em pesquisas científicas – enfoque em metodologias. Revista Brasileira de Zootecnia. 2007. V. 36; P. 285-294.

MOITA-LOPES, L. P. (org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

PINTO, CÂNDIDA M. Meta-análise qualitativa como abordagem metodológica para pesquisa em letras. IX Encontro da ABCP, 2014. Disponível em: http://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/viewFile/4023/2491 Acesso em 20 out 2018

RODRIGUES, Caroline L.; ZIEGELMANN, Patrícia K. Meta-análise: um guia prático. Rev HCPA, 2010;30(4):436-447.

RODRIGUES, Cassio. A abordagem processual nos estudos da tradução: Uma análise meta-análise qualitativa. Cadernos de Tradução (UFSC), Florianópolis, v.10, n. 2, p. 23-59, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/6143, Acesso em 13 set  2018.

SOUSA, J. M. & FINO , C. N. (2005, 24 Junho). Um Mestrado em Inovação Pedagógica. I-V. Jornal Tribuna da Madeira.

SOUSA, J. M. & FINO , C. N. Inovação e incorporação de novos saberes: o desenho curricular de um mestrado em Inovação Pedagógica. In Actas do VIII Congresso da SPCE, “Cenários da educação/formação: Novos espaços, culturas e saberes". Castelo Branco: SPCE, 2007.

STRAUSS, A. L.; CORBIN, J. Basics of Qualitative Research: Grounded Theory, Procedures and Techniques. Newbury: SAGE, 1990.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Metodologia da Teoria Fundamentada. 1997. Traduzido por Frederico José Andries Lopes. Disponível em: STRAUSS, A.; CORBIN, J. Metodologia da Teoria Fundamentada; acesso em 28 de outubro de 2011. TAROZZI, M. O que é grounded theory? Metodologia de pesquisa e de teoria fundamentada nos dados. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Entrevista reflexiva & Grounded Theory: estratégias metodológicas para compreensão da resiliência em famílias. Revista Internacional de Psicologia. 2005. n. 3; p. 1-8.

ZIMMER, L. Qualitative meta-synthesis: a question of dialoguing with texts. Journal of Advanced Nursing, v. 53, n. 3, p. 311-318, 2006.