A (RE)PRODUÇÃO CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES EM PROCESSOS DE FORMAÇÃO COLABORATIVA.


A (RE)PRODUÇÃO  CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES EM PROCESSOS DE FORMAÇÃO COLABORATIVA.

A (RE)PRODUÇÃO CONTEXTUALIZADA DE VISUALIDADES EM PROCESSOS DE FORMAÇÃO COLABORATIVA. 


PROPONENTES:

Prof. Antenor Rita Gomes (Universidade do Estado da Bahia – UNEB- BR).

Prof. Paulo Gomes Brazão (Universidade da Madeira – UMa-PT)


PARCERIA INSTITUCIONAL - Universidade da Madeira -UMa (PT) e Universidade do Estado da Bahia/UNEB




Ano - 2020


 

APRESENTAÇÃO


Esta pesquisa será desenvolvida na Universidade do Estado da Bahia através do Núcleo de Pesquisa em Cultura Visual, Educação e Linguagens – Cult-Vi, em parceria com a Universidade da Madeira – UMa e tem como Objeto da investigação as aprendizagens pedagógicas dos estudantes relacionadas com o processo de (re)produção contextualizada de visualidades, desenvolvidas na correlação entre duas estratégias formativas, a saber:


A PRODUÇÃO DE ARTEFATOS EDUCACIONAIS SOCIOTECNOLÓGICOS ARTICULADOS À CULTURA E AOS PROCESSOS IDENTITÁRIOS e AS REDES COLABORATIVAS DE FORMAÇÃO-AÇÃO.


A pesquisa tem como Objetivo Geral: estabelecer relações entre a produção contextualizada de visualidades e o fazer/aprender pedagógico de estudantes em processos de formação colaborativa”.

Teoricamente a pesquisa inspira-se nos estudos culturais, sobretudo os da cultura visual (e, consequentemente, recebe contribuições da teoria social crítica) de modo a conceber os processos de transformação técnico-cultural como experiência sociocultural relacionada aos contextos e alternativas culturais dos sujeitos. As transformações tecnológicas são percebidas, portanto, como fenómenos historicamente situados, diferentemente do que se percebe em abordagens meramente técnicas


A Metodologia adotada para o desenvolvimento da pesquisa é de natureza qualitativa, o método da Pesquisa-ação colaborativa ao desenvolver e aplicar colaborativamente e em rede uma Oficina de produção de Recursos educacionais abertos (REA) para professores em situação de formação vinculados aos polos formativos instalados para tal fim e sob a responsabilidade da Universidade do Estado da Bahia –DCH 4 Jacobina (Bahia- Brasil) e da Universidade da Madeira – Funchal - PT).

Trata-se de uma pesquisa colaborativa e multirreferencializada com intervenções formativas, donde se prevê a constituição de grupos de formação com professores, conectados por meio de plataformas interativas que possibilitarão o desenvolvimento da ação interativa e formativa. Para o desenvolvimento da pesquisa serão implementadas oficinas de produção de recursos educacionais abertos (REA) sobre o contexto cultural local tomando-se a rede (Web) como fator de integração e processo de produção colaborativa.

Neste sentido, o propósito é analisar as aprendizagens dos professores por meio das ações formativas desenvolvidas numa espécie de fábrica de ideias pedagógicas construtoras de artefactos, cuja matéria básica de produção seja as visualidades e a cultura geral dos seus interactantes vivenciada em suas comunidades de prática.

As oficinas tecnológicas terão como perspectivas teóricas as visualidades e a matética para compreender os processos de aprendizagem e formação, a partir do seguinte problema, questões e objetivos:

 

 

 

 

Problema:

 

Como os processos colaborativos de (re)produção de visualidades criam 

oportunidades para aprendizagens contextualizadas enquanto valor cultural reconhecido? 


 

Questões da pesquisa: 

Que saberes são requeridos na (re)produção de visualidades contextualizadas?

De que modo o uso da tecnologia possibilita o desenvolvimento das produções colaborativas?

O que resulta das produções colaborativas ?

De que modo elas possibilitam aos estudantes as aprendizagens?

Que utilidade cultural é conferida à produção obtida?

 

Objetivos/metas: 

- mapear os saberes arregimentados pelos estudantes para (re)produzir visualidades em conexão com o contexto sociocultural da formação em Educação;

- verificar os sentidos atribuídos pelos estudantes à sua ação;

- descrever os diferentes usos da tecnologia que servem de suporte às produções colaborativas;

- analisar os produtos das interações colaborativas enquanto produtos culturais reconhecidos.


CRONOGRAMA


Março - julho 2020

- Desenvolvimento da plataforma/rede da oficina.

- Recolha dos dados de observação.


Julho - setembro 2020

- Tratamento dos dados de observação.

- Redação do relatório.


Novembro 2020

– Apresentação da pesquisa;

- Divulgação pública.



BIBLIOGRAFIA

Etnopesquisa

Macedo, Roberto Sidnei (2000). Etnopesquisa Crítica e Multirreferencial nas Cências Humanas e na Educação. Salvador, Edufba.

Lapassade, G. (1991). L’ethnosociologie : Les sources anglo-saxonnes. Paris: Méridiens Klincksieck.

Lapassade, G. (2001a). L'observation participante. Revista Europeia de Etnografia

 da Educação, 1, 9-26.

Lapassade, G. (2001b). L’observation participante. Revista Europeia de Etnografia da Educação 1, 9-26.

Ambientes virtuais

Aukrust, V. G. (2011) Learning and Cognition in Education. Oxford: Elsevier

Estalella, A. (2006). Anatomia de los blogs. La jerarquia de lo visible. TELOS Abril-Junio 2006 Nº 67 Segunda Época.

Gee, J. P. (2004). Situated Language and Learning - A critique of traditional schooling. New York and London: Routledge

Christensen, C., Horn, M. & Johnson, C. (2011) Disrupting Class - How Disruptive Innovation Will Change the Way the World Learns. New York: McGraw-Hill

Jonassen, D. H. (2008) Handbook of Research on Educational Communications and Technology - Second Edition. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Jonassen, D. H. (2011) Learning to Solve Problems A Handbook for Designing Problem-Solving Learning Environments. New York: Routledge.

McDermott R., Snyder W. M. & Wenger E. (2002). Cultivating Communities of Practice. Boston: Harvard Business School Press.

Papert S. (1985) Logo: computadores e educação. S. Paulo: Editora Brasiliense

Papert, S. (1993) The children´s machine: Rethinking schools in the age of computer. New York: Basic Books.

Santana, B., Rossini C., Pretto, N. (org) (2012). Recursos Educacionais Abertos. Práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Casa da Cultura Digital.

Cultura Visual

Flussen, V. (2002). Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma filosofia da fotografia. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

Hernandez, F. (2006). De la alfabetizacón visual al alfabetismo de la cultura visual. Universidad de Barcelona. Espanha.

Martin-Barbero, J. (2007) Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro. UFRJ.

Mirzoeff, N. (2003) Una introducción a la cultura visual. Barcelona: Paidós.

Mitchell, W. J. T.(1995) Que és la cultura visual. Princenton: Irving Lavin, Institute for Advanced Study.

Salate, V. (2013) Introdução à Experiência Intelectual de Theodor Adorno, Universidade São Paulo, USP.

Sardelich, M. E. (2006) Leitura de imagens, Cultura Visual e Prática Educativa. Cadernos de Pesquisa, v.36, n.128, pp.451-472.

Silva, S.L.P da. (2012) Antes Ver para Crer, Hoje Digitalizar para acreditar: a fotografia e o gozo estético da cultura visual. Domínios da Imagem, Londrina, ano VI, n. 11, pp. 111-120, novembro.

Aprendizagem situada e aprendizagem por participação

Fernandes E. & Santos, M. (2013). In E. Fernandes (Ed.) Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 3 – 54). Funchal: Universidade da Madeira.

Costa, F. A . (Coord). Rodriguez, C.,Cruz, E. & Fradão, S. (2012) Repensar as TIC na Educação. O Professor como Agente Transformador. Editora Santillana. Lisboa.

Fino, C.N. (2000) Novas tecnologias, cognição e cultura: um estudo no 1º ciclo do ensino Básico. Unpublished Tese de Doutoramento, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Lisboa.

Freire, P. (1981) Educação e Mudança. 4. ed. Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro.

Martins, S. (2013b). Da escrita de uma história à produção de um filme. In E. Fernandes (Ed.), Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 116 – 144). Funchal: Universidade da Madeira.

Martins, S. & Fernandes, E. (2013). A criação de uma história com robots: Um empreendimento conjunto. Perspectiva.

Matos, J. F. (2013). Cenários de Aprendizagem como Recursos Estruturantes da Ação. In E. Fernandes (Ed.), Aprender Matemática e Informática com Robots. (pp. 47 – 55). Funchal: Universidade da Madeira.

Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas / Bianca Santana; Carolina Rossini; Nelson De Lucca Pretto (Organizadores). – 1. ed., 1 imp. – Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital.

Santos, A. (2013b). A competição DROIDE Virtual. In E. Santos, B.S. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 2 ed, Editora Cortez. São Paulo.

Viana, J.; Costa, F. A.; Peralta, H. Aprendizagens Pessoais em Contextos Informais: oportunidades criadas pela Internet. Revista Observatório. v. 3, n. 4, pp. 190-231. jul. 2017. ISSN 2447-4266.

Wenger, E. (1998). Communities of practice: learning, meaning and identity. Cambridge, USA: Cambridge University Press.

Wenger, E. (2010). Communities of practice and social learning systems: the career of a concept. In: C. Blackmore (Ed.), Social Learning.

Pedagogia, currículo e teoria social crítica

Bruner, J. (2001). A cultura da Educação (M. A. G. Domingues, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Giroux, H (2001). Theory and Resistance in Education: Towards a Pedagogy for the Opposition, 2nd Edition (Critical Studies in Education and Culture Series). Greenwood Publishing Group.

Gramsci, A. (1971). Seleção dos Cadernos do Cárcere. Londres: Lawrence e Wishart

Hall, R. (2010). Reimaginar a universidade: Autónomo e cooperativo re-produção. http://www.learnex.dmu.ac.uk/2010/11/29/reimagining-the-university-autonomous-and-co-/ Operativa-re-produção.

Sousa, J. M. (2017). A relação de poder entre o Currículo e a Didática. O caso da Universidade da Madeira. In F. Gouveia & G. Pereira (Orgs.). Didática e Matética (pp. 73-90). Funchal: CIE-UMa. (ISBN: 978-989-95857-8-2).

Sousa, J. M. (2016). Apresentação: Currículo, Ortodoxia e Transgressão. In Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 9, n. 18, p. 11-12, jan./abr. ISSN: 1983-6597 (versão impressa); 2358-1425 (versão online).

Tadeu da Silva, T. (1999). Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica.