GÉNERO E EDUCAÇÃO


GÉNERO E EDUCAÇÃO


UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

 CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS 

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

|Disciplina :   Gênero e Educação    Código:  PPGED

  Pré-requisito(s)    Carga horária:  60

  PEL    Créditos : 4

Professorxs Alfrancio Ferreira Dias (UFS) Ana Paula Leite Nascimento (IFS) Maria Helena Santana Cruz (UFS) Paulo Brazão (UMa) Semestre 2021.2


1. EMENTA

Gênero: categoria analítica e histórica. Diferenças entre privado e público. Gênero, classe social, etnia/raça e geração. Estudos feministas. Gênero e formação. Gênero e violência. Desiguadades de gênero no mercado, na família e na educação. Estudos queer e Trans\* na educação.


2. OBJETIVOS

Por meio da metodologia proposta desta disciplina contribui-se a seguintes objetivos:

Aprofundar a discussão teórico-metodológica sobre os conceitos de gênero e educação, para permitir sua exploração como ferramentas de análise em pesquisas em educação;

Desenvolver capacidades metodológicas para a pesquisa em educação;

Desenvolver a capacidade de questionar os fenômenos educacionais cotidianos e profissionais;

Desenvolver capacidades-chave que excedem a área;

Produzir conhecimento científico teórico;

Produzir conhecimento científico empírico em educação, em especial, conhecimentos relevantes para o desenvolvimento da região Nordeste;

Publicar os conhecimentos produzidos junto à comunidade científica e à comunidade em geral;

Proporcionar espaços para comunicação com grupos sociais para trocar experiências e transferir conhecimentos;

Articular as pesquisas desenvolvidas no PPGED com pesquisas realizadas em cursos de graduação e outros espaços.


3. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Por meio da metodologia proposta desta disciplina contribui-se ao desenvolvimento das seguintes competências e habilidades dos discentes matriculados:

Conhecimento básico e especial da área;

Conhecimento sobre as estruturas da área e da profissão;

Conhecimento sobre métodos específicos da área e da profissão;

Capacidade de análise e síntese;

Capacidade de adquirir técnicas de trabalho;

Planejamento do tempo;

Tomada de decisões;

Aplicação de técnicas de solucionar problemas;

Capacidade de explorar recursos internos e externos;

Capacidade de avaliar o próprio trabalho e fazê-lo inteligível e transparente para outros; Capacidade de publicar trabalhos);

Capacidade de relacionamento;

Flexibilidade de assumir papéis diferentes em diversos contextos;

Capacidade de trabalhar em equipe;

Capacidade de criticar e aceitar críticas);

Capacidade para refletir sobre si mesmo;

Capacidade para decidir com autonomia;

Flexibilidade diante das mudanças em diversas situações;

Capacidade de suportar circunstâncias adversas;

Capacidade de aprender a aprender).


4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO / CRONOGRAMA

Este curso propõe aprofundar algumas discussões possíveis sobre a maneira como a questão do “gênero” se constituiu, sobretudo no âmbito da Educação, tomando como referência autores/as dos Estudos Feministas e Culturais pós-críticos, para explorá-los enquanto ferramentas de análise em pesquisas em Educação. Embora  uma  infinidade de aspectos pudessem ser enfocados (como as relações entre gênero e sexualidade, questões relativas ao parentesco, família, conjugalidades, temáticas como violência, política, trabalho, saúde etc.), o foco central estará na questão da “diferença sexual”, inerente à problemática de gênero, as construções do conceito de “gênero” em oposição ao de “sexo”, tendo como contraponto a dicotomia natureza x cultura.  Finalizando o curso indicamos algumas leituras que tencionam os limites das relações entre corpos e identidades, do próprio conceito de gênero e afirmação de pluralidades nas relações de gênero. Nesse sentido, os principais conteúdos são: Movimento Feminista; Gênero: categoria analítica e histórica; Gênero, classe social, etnia/raça, geração e outros marcadores da diferença; Gênero e Formação; Desigualdades de gênero no mercado, na família e na educação. Estudos queer e educação; Estudos trans\* e educação; Metodologias de pesquisa feminista.


Planificação e recursos: https://bra.in/3vPAL9


AULA 01 – 26/08/2021 – Introdução da disicplina.

Apresentação do programa, dxs docentes e discentes; Espectos de funcionamento da disciplina  (levantamento de conhecimentos e interesses sobre os temas de gênero no âmbito da educação e nos trabalhos de pesquisa de cada discente. Introdução e aspectos gerais sobre gênero e educação.

AULA 02 – 02/09/2021 – Estudos feministas e de gênero I: campos de disputas teórico-metodológicas e políticas.

AULA 03 – 09/09/2021 – Estudos feministas e de gênero II: campos de disputas teórico-metodológicas e políticas.

AULA 04 – 16/09/2021 – Gênero: categoria analítica e histórica.

AULA 05 – 23/09/2021 – Igualdade e diferença.

AULA 06 – 30/09/2021 – Desigualdades de gênero no mercado, na família e na educação

AULA 07 – 07/10/2021 – Gênero, sexualidades e educação.

AULA 08 – 14/10/2021 -  Gênero e pedagogias contemporaneas I.

AULA 09 – 14/10/2021 -  Gênero e pedagogias contemporaneas II.

AULA 10 – 21/10/2021 -  Estudos queer e educação.

AULA 11 – 28/10/2021 -  Estudos trans\* e educação.

AULA 12 – 04/11/2021 -  Metodologias de pesquisas feministas.

AULA 13 – 04/11/2021 -  Discussão/feedback das pesquisas em andamento I

AULA 14 – 04/11/2021 -  Discussão/feedback das pesquisas em andamento II

AULA 15 – 04/11/2021 -  Discussão/ feedback das pesquisas em andamento III

Documentos das aulas:  https://bra.in/3vPAL9 


5. METODOLOGIA

A disciplina é aberta a estudantes da pós-graduação em educação e demais programas de pós-graduação da UFS que façam pesquisas feministas sobre qualquer tópico, em qualquer ano ou semestre. O objetivo é proporcionar um espaço interdisciplinar para aprofundar a discussão teórico-metodológica sobre os conceitos de gênero e educação, a fim de permitir sua exploração como ferramentas de análise em pesquisas em educação. Xs participantes poderão compartilhar experiências uns com xs outrxs e com acadêmicxs experientes e receber feedback construtivo e conselhos sobre seus planos de pesquisa e dilemas de pesquisa. Xs alunxs se reunirão uma vez por semana em sessão de 2 horas. As sessões serão alternadas entre formatos diferentes, incluindo: a) sessões de discussão: leituras sobre os conteúdos definidas com antecedência e xs alunxs usam as leituras como ponto de partida para discutir e refletir sobre o seu próprio trabalho de pesquisa; b) aulas expositivo-dialogadas; c) xs participantes serão solicitadxs a fazer algum trabalho/leitura de preparação antes de cada reunião. Isso pode envolver, por exemplo, fazer um exercício, ler um ou dois textos curtos para discussão ou ler compartilhar com xs demais participantes as problemáticas de sua pesquisa para feedback sobre esse trabalho.


6. AVALIAÇÃO:

Avaliação formativa será desenvolvida por meio da participação nas sessões de discussão de leituras e das sessões de discussão de trabalhos em andamento.


7. REFERÊNCIAS

ALVAREZ, Sonia. Feminismos Latino-americanos. Revista Estudos Feministas, v.6. n.2, 1998. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/issue/view/308/showToc 

ABOIM, Sofia. Do público e do privado: uma perspectiva de género sobre uma dicotomia moderna. Revista Estudos Feministas. 2012, vol.20, n.1, jan/abr. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2012000100006 

BARRETO, D.; MOURA, B. M. Dos Terreiros à Academia: mulheres de axé, saberes tradicionais e letramento acadêmico. Revista Calundu, v. 4, n. 1, p. 1-5, 2020. https://doi.org/10.26512/revistacalundu.v4i1.32234 

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Florianópolis, Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 458, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462/15034 

BANDEIRA, Lourdes. Avançar na transversalidade da perspectiva de gênero nas políticas públicas. Brasília: CEPAL/Secretaria Especial de Políticas para mulheres, 2005. Disponível em: www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e... Arquivo PDF.

BITENCOURT, D. ; SOUZA, M. L. . Quanto mais me sinto, mais vejo que sou flor e ave e estrela e universo: histórias de Tieta, uma travesti que se fez em trânsitos. REVISTA PERIÓDICUS, v. 1, p. 245-256, 2020.

BRAH,  Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cad. Pagu n.26, pp.329-376,  jan-jun,2006.  Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332006000100014&script=sci  

BUTLER, J. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BUTLER, Judith. Sujeitos do sexo/gênero/desejo. In: Butler, J. Problemas de gênero:   feminismo e subversão da identidade. Rio: civilização Brasileira, 2003, p.16-60.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: Louro, Guacira. (Org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autentica, 1999, p. 151-172.

CRUZ, M. H. S. A crítica feminista à ciência e contribuição à pesquisa nas ciências humanas. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n. 12, p. 15-27, 2014. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.2949

CARDOSO, H. M.; DIAS, A. F. Trans* subjectivities in the higher education curriculum. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 2, n. 1, p. e12305, 2021. https://doi.org/10.20952/jrks2112305

CATALANO, C. J. Resisting coherence: trans men’s experiences and the use of grounded theory methods. International Journal of Qualitative Studies in Education, v. 30, n. 3, p. 234-244, 2017. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09518398.2016.1254301?journalCode=tqse20  

CONCEIÇÃO, N. Interseccicionalidade e psicologia feminista. Salvador: Devires, 2017.

CÔRTES, R. C. S.; FERRARI, A.; SOUZA, M. L. -Sobre a sua buceta, responda--: escolas e constituição de sujeitos em meio a jogos de poder. PRÓ-POSIÇÕES (UNICAMP. ONLINE), v. 30, p. 1-21, 2019.

COHEN, Louis; MANION, Lawrence; MORRISON. Research Methods in Education. New York: Taylor & Francis e-Library, 2017.

CORREA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cad. Pagu. Ano XIX, n.16, pp13-30, jan/jul. 2001. [online]. 2001. 

CROSS, R. On writing. 2019. Disponível em: https://www.ninedtp.ac.uk/postgraduates-on-writing/ 

CRENSHAW, Kimberlé. “A Interseccionalidade na Discriminação de Raça e Gênero”. Relações Raciais, 27/09/2012. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/?p=1533

COSTA, Renata G. da; SILVEIRA, Clara M. H; MADEIRA, Maria Zelma de A. Relações de gênero e poder: tecendo caminhos para a desconstrução da subordinação feminina.Disponível:http://www.ufpb.br/evento/lti/ocs/index.php/17redor/17redor/paper/viewFile/56/196

COLETIVAS, G. T. Nós Trans: escrivivências de resistência. Belo Horizonte: Litera Trans, 2017.

DIAS, A. F. Escrevivências trans* como potência. Revista da FAEEBA, v. 29, n. 59, p. 293-308, 2020. https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n59.p329-344 

DeMATTHEWS, D. et. al. From the Field: Education Research During a Pandemic. Educational Researcher, 0013189X2093876, 2020. https://doi.org/10.3102/0013189x20938761 

DAL’IGNA, Maria Claudia.; MEYER, Dagmar. E.E; DORNELES, Priscila G.; KLEIN, Carin. Gênero, sexualidade e biopolítica: processos de gestão da vida em políticas contemporâneas de inclusão social. 2018. 

EVARISTO, C. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: DUARTE, C. L.; NUNES, I. R. (Orgs.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020, p. 48-54.

FERREIRA, Virgínia. O Feminismo na pós-modernidade. Revista Crítica de Ciências Sociais. Facul. de Coimbra, n. 24. mar. 1988. Disponível em:  https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/10822/1/Feminismo%20na%20P%C3%B3s-modernidade.pdf 

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade - a vontade de saber. Rio de Janeiro: ED. Graal, 2016.

FIGUEIREDO, R. S. ; SOUZA, M. L. 'Ave Maria, chegou a macumbeira!': tensões no ensino da história e cultura afro-brasileira na escola. REVISTA DIVERSIDADE E EDUCAÇÃO, v. 6, p. 13-20, 2018.

FURLAN, Cássia Cristina; MÜLLER, Verônica Regina. Gênero, sexualidade e docência: (re)pensando práticas. Revista Educação em Questão, Natal, v. 46, n. 32, p. 155-178, maio/ago. 2013.

FRANCO, N.; CICLINI, G. A. Professoras trans brasileiras em seu processo de escolarização. Estudos Feministas, Florianópolis, 23(2): 325-346, maio-agosto, 2015.

HIRATA, H. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, UNICAMP/Campinas/SP, n. 17/18, p. 139-156, 2001/2002. Disponível em: www.scielo.br/pdf/cpa/n17-18/n17a06.pdf 

3 HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo (SP), v 37, n. 132, p. 595-609, set/dez. 2007. Tradução Fátima Murad. Disponível em: http://scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132 

HOSTETLER, K. What Is “Good” Education Research? Educational Researcher, v. 34, n. 6, p. 16–21, 2015. https://doi.org/10.3102/0013189x034006016  

hooks, b. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

HARDING, Sandra. Del problema de la mujer en la ciencia al problema de la ciencia en el feminismo. In: Ciencia y Feminismo. Capítulo I. Madrid: Ediciones Morata, S.L., 1996, p. 15-27 Disponível em: https://edmorata.es/.../uploads/2020/06/Harding.CienciaFeminis… · Arquivo PDF

JESUS, J. G. de. As guerras de pensamento não ocorrerão nas universidades. In: COLLING, L. Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016. p. 217-232.

JESUS, Jaqueline Gomes de; ALVES, Hailey. #Feminismo transgênero e movimentos de mulheres transexuais. Revista Cronos, Natal, v. 11, n. 2, 2010, p. 8-19. Disponível em: https://www.periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/2150/pdf

LOURO, G. L. Conhecer, pesquisar, escrever. Educação, Sociedade & Culturas, v. 25, p. 235-245, 2007.

LOURO, Guacira. Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer – Uma Política  Pós-Identitária  para a Educação.  Estudos Feministas, 541 2/2001. Disponível: www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8639.pdf

Revista Educação e Realidade. V. 20, n. 2:101-132, 1995. (http://www.scielo.cl/scielo.php?pid=S0718-65682009000300006&script=sci_arttext 

LOURO, Guacira (org.). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LUGONES, Maria. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, jan./abr. 2014. ISSN 1806-9584. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755

MATOS, Marlise; PARADIS, Clarisse Goulart. Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro. Cadernos Pagu (43), julho-dezembro de 2014:57-118.

MARIANO, Silvana Aparecida. Igualdade e Diferença nas Teorias Feministas. ANPUH-XXIII – Simpósio Nacional de História – Londrina, 2005. www.anpuh.org/anais/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S23.154 

MCAULAY, K. Two knees and a PhD: on writing a PhD in adverse circumstances, 2019. Disponível em: https://www.ninedtp.ac.uk/postgraduates-on-writing/ 

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. SOC. ESTADO, Brasília, v. 32, n. 3, p. 725-748, dec. 2017.

MESQUITA, R.; ROCHA, K. A. “Ọrọ, nwa, ẹkọ”, the talk, the look, the education: reflections on a pedagogy of cosmoperception. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 2, n. 1, e12380, 2021. https://doi.org/10.20952/jrks2112380 

MEYER, Dagmar. Teorias e políticas de gênero: fragmentos de histórias e desafios atuais. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 57 (1), jan/fev, 2004

MENDES, Mary Alves. Estudos Feministas: Entre Perspectivas modernas e pós-modernas. Cadernos de Estudos Sociais. Recife. v. 18,   n.2, p.223-238, jul./dez. 2002. Disponível em: publicadireito.com.br/artigos/?cod=dbe2ec22cee2bf46

MARINE, S. B., WAGNER, R., & NICOLAZZO, Z. Gender inclusive housing on four college campuses: Discourses of dominance and resistance. Journal of Diversity in Higher Education, 12(3), 219-229, 2019.

MEYER, Dagmar e PARAISO, Marlucy (org.).  Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Ed. Mazza, 2012, LER Cap. 1 e 2 de (p. 23 – 61).

MEYER, Dagmar Estermann. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermmann; 3 PARAÍSO, Marlucy Alves. (Org.). Metodologias de Pesquisa Pós-criticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

MEYER, Dagmar Estermann; KLEIN; Carin; DAL'IGNA, Maria Claudia ALVARENGA, Luiz Fernando. Vulnerabilidade, gênero e políticas sociais: a feminização da inclusão social. Revista Estudos Feministas, v. 22, p. 885-904, 2014. Disponível em:  https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36751

NICOLAZZO, Z. Imagining a Trans* epistemology: what liberation thinks like in postsecondary education. Urban Education, p. 1-26, 2017a. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0042085917697203. Acesso em: 20 jun. 2019.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, v. 8, n. 2 2000, p. 9–42

OLIVEIRA, J. M. Trânsitos de gênero: leituras queer/trans* da potência do rizoma gênero. In: COLLING, L. Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016. p.109-132.

OLIVEIRA, M. R. G. O diabo em forma de gente: (r) existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. 2017. 190 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 2013.

OLIVEIRA, M. R. G. Trejeitos e trajetos de gayzinhos afeminados, viadinhos e bichinhas pretas na educação. Revista Periódicos, v. 1, n. 9, p. 161-191, 2018. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/25762. Acesso em: 20 jun. 2019.

PATTON, L. D. Disrupting postsecondary prose: Toward a critical race theory of higher education. Urban Education, n. 51, p. 315-342, 2016. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0042085915602542. Acesso em: 20 jun. 2019.

Pimentel Júnior, C.; Carvalho, M. I. S. S.: Sá, M. R. G. B. Pesquisa (Auto)Biográfica em chave pós-estrutural: conversas com Judith Butler. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 12, n. 1, p. 203-222, jan./abr. 2017. https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.12i1.0011

PLATERO, R.L., LANGARITA, J. A. La docencia encarnada, sexuada y generizada. Dos experiencias incómodas. Pedagogia i Treball Social. Revista de Ciències Socials Aplicades, 5 (1): 57-78, 2016.

PRÁ, J. R.; CARVALHO, M. J. Feminismos, políticas de gênero e novas institucionalidades. Labrys - estudos feministas - janeiro/julho 2004 (online). Disponível em: http://vsites.unb.br/ih/his/gefem/labrys5/textos/mariejanept.htm

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos "anormais". Revista Estudos Feministas. Florianópolis. vol. 19, núm. 1, janeiro-abril, pp. 11-20, 2011.

RAGO, Margareth. Feminismo e Subjetividade em Tempos Pós-Modernos.  Disponível                            em:  <http://historiacultural.mpbnet.com.br/feminismo/Feminismo_e_subjetividade.pdf  

RAMALLO, F. ; PORTA, L. . Narrativas y trayectorias invisibilizadas. La memoria escolar y los estudiantes del Colegio Nacional de Mar del Plata. Praxis educativa (Santa Rosa - Argentina) , v. 21, p. 35-45, 2017.

RAMALLO, F. ¿Cuál es el lugar de la pedagogía? Notas para desidentificar su disciplinamiento. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 14, p. 889-899, 29 jun. 2020.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SARDENBERG, Cecília; COSTA, Ana Alice. Feminismos no Brasil: enunciando demandas das mulheres em sua diversidade. Labrys, jul-dez 2011; jan/jun, 2012 https://www.labrys.net.br/labrys20/brasil/cecilia.htm 

SARTI, Cíntia Andersen. O Feminismo brasileiro desde os anos 70: revisitando uma trajetória. Revista Estudos Feministas. V.12, n. 2: 35-50, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Vol.20 (2), jul/dez.1995: 71-100.

SWAIN, Tânia N. – “As teorias da carne: corpos sexuados e identidades nômades”, Revista Labrys, estudos feministas, n.1-2, julho-dez. 2002.

WALSH, C. Entretejiendo lo pedagógico y lo decolonial: luchas, caminos y siembras de reflexión-acción para resistir (re) existir y (re) vivir. Alter/nativas. Valle de Cauca: Abril Trigo, 2017.

WELLS, K. Transgender Teachers: The Personal, Pedagogical, and Political. Journal of Homosexuality, 12, 1-69, 2017. DOI: 10.1080/00918369.2017.1380989.